coguZAO
De (Nome)/(E-Mail) :
labiA:
HTML:

engenharia
emailS:

boa sorte


bora
Blog Doutor Caligari
Your browser (Internet Explorer 6) is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this and other websites. Learn how to update your browser.
X

Comparação entre o trailer de Terminator Genisys com os filmes anteriores da série.

Comparação entre o trailer de Terminator Genisys com os filmes anteriores da série.

Acabou de sair mais um aguardado trailer de um filme de 2015, o retorno da franquia O Exterminador do Futuro (que já faliu uma produtora no último) que havia sido apresentada como um remake, mas que agora com a peça de divulgação, parece uma mistura insana de remake, sequência, prequel, universo paralelo e sabe-se lá mais o quê? E o que me chamou mais atenção foi a quantidade de cenas que são recriações de momentos icônicos principalmente dos dois filmes dirigidos por James Cameron, com algumas diferenças entre os personagens envolvidos que deixa mais segura a afirmação de que se trata de um universo alternativo, além de assim ser mais fácil fugir de acusações de ser apenas uma cópia dos antecessores. Primeiro veja (ou reveja) o trailer:

Posso apostar que logo surgirá uma recriação fan made do trailer utilizando unicamente cenas dos filmes anteriores, eu até gostaria de fazer, mas infelizmente não tenho tempo nem muita paciência, então eu separei apenas algumas capturas para mostrar as semelhanças (clique nas imagens para ampliar), começando com a introdução do T-800 no filme de 1984 (o buraco no chão só aparece em O Exterminador do Futuro 2).

A cena em que o T-800 rouba as roupas de um membro da gangue de Bill Paxton é recriada com a presença da versão velha do Schwarza.

Recriação quase perfeita do Arnaldão.

A chegada de Kyle Reese também é recriada quadro a quadro.

Agora alguns momentos de O Exterminador do Futuro 2, até a cicatriz no rosto do novo John Connor (que já foi vivido por cinco atores diferentes, sem contar o bebê no primeiro filme).

O salto de moto do T-800 (será que teremos Guns and Roses na trilha?)


O novo velho T-1000 (preferia que fosse o Robert Patrick novamente, nem que fosse totalmente recriado em CGI)

Nem o fraco Exterminador do Futuro 3 ficou de fora das referências, temos a capotagem com duplo twist carpado.

E a recriação do Dia do Julgamento.

Eu esperava que o filme fosse um desastre, mas o trailer até me animou, J.J. Abrams mostrou que é possível reimaginar um clássico de maneira inventiva em Além da Escuridão que recria inúmeros momentos dos filmes antigos de Star Trek, principalmente A Ira de Khan, então darei meu voto de confiança, até porque o nosso querido Schwarzenegger merece.

 .

Os Filmes mais esquecíveis de 2014.

Os Filmes mais esquecíveis de 2014.

Vamos dar início as listas especiais de fim de ano novamente com os filmes mais esquecíveis que publico desde 2011 e que como sempre digo, é uma lista complicada, pois posso muito bem esquecer dos que mais merecem estar nela :P. Outra coisa que eu sempre lembro nessa lista é que ela não necessariamente contém os piores do ano (essa sai mais perto do fim do ano), mas sim aquelas produções que tiveram relativa repercussão antes do lançamento, mas por serem tão “nhennn” foram completamente ignoradas pelo público. Sem mais, vamos a lista:

 

Ajuste de Contas [Grudge Match, Estados Unidos, 2014], de Peter Segal (Warner).

Só mesmo um diretor sem personalidade como o Peter Segal para deixar um filme que reúne no ringue os interpretes de dois dos maiores lutadores do cinema em um filme apático. La Motta e Balboa, De Niro e Sly, que desperdício de ideia.

. 

Frankenstein – Entre anjos e demônios [I, Frankenstein, Estados Unidos, 2014], de Stuart Beattie (PlayArte) e Drácula – a história nunca contada [Dracula Untold, Estados Unidos, 2014], de Gary Shore (Universal).

Dobradinha da febre do rato.  Dois filmes genéricos que transformam monstros icônicos da Universal em heróis de histórias que nunca deveriam ser contadas, ao menos caíram no esquecimento tão logo estrearam.

.

47 Ronins [47 Ronin, Estados Unidos, 2014], de Carl Rinsch (Universal).

Filme adiado inúmeras vezes desde 2011 (o que nunca é um bom sinal) tem até um visual bonito, mas uma história desinteressante e sonolenta, acho que a demora no lançamento foi justamente porque os responsáveis esqueceram de lançar.

.

A menina que roubava livros [The Book Thief, Estados Unidos, 2014], de Brian Percival (Fox).

Baseado em um best seller, trilha de John Williams, e muito dinheiro. Não tinha como dar errado, né? Deu. Não é ruim, mas é uma adaptação apenas correta, muito convencional, sem qualquer momento inspirado, por isso fácil de ignorar, como foi pelo público e crítica.

.

Caçadores de obras primas [The Monuments Men, Estados Unidos, 2014], de George Clooney (Fox).

 Um elenco imenso desperdiçado (Bill Murray passa batido) em um filme sem ritmo. Bola fora, Clooney.

.

Um conto do destino [Winter’s Tale, Estados Unidos, 2014], de Akiva Goldsman (Warner).

Fábula dirigida por Akiva Goldsman (sim, o culpado pelo roteiro de Batman & Robin) com elenco de peso incluindo Russell Crowe, Colin Farell, Will Smith, Jennifer Connelly e Willian Hurt, mas um fracasso que desapareceu rapidamente dos cinemas, difícil achar alguém que lembre sequer de ter visto o cartaz do filme em algum cinema.

.

Need for speed: o filme [Need for speed, Estados Unidos, 2014], de Scott Waugh (Disney).

Confesso que curti mais até que o primeiro Velozes e Furiosos que eu detesto (só passei a achar a série do Vin Diesel minimamente interessante no quinto filme pela zueira que virou), mas ainda assim extremamente genérica num péssimo começo para o Jesse Pinkman nos cinemas. Por outro lado, achei essa atriz da foto de nome engraçado linda, difícil esquecer dela, mas o filme é tão difícil de lembrar quanto o nome da mesma.

.

Oldboy – Dias de vingança [Oldboy, Estados Unidos, 2014], de Spike Lee (Paris).

Desde de 2008 que fãs da obra coreana amaldiçoam a produção da versão norte americana que demorou para sair, mas conseguiu na mão de um diretor respeitável como Spike Lee e com um ator cult do nível do Josh Brolin. Mesmo assim, não deu, o público ignorou.

.

No olho do tornado [Into The Storm, Estados Unidos, 2014], de Steven Quale (Warner).

 Quando nos lembrarmos de um filme com efeitos de tornados bacanas, mas com uma história absurdamente tola, ainda será do “Twister” de Jan de Bont que falaremos.

.

Transcendence – A revolução [Transcendence, Estados Unidos, 2014], de Wally Pfister (Diamond Filmes).

Aguardada estreia na direção do fotografo dos filmes do Nolan, o filme parecia uma ficção científica interessante, mas as treze pessoas que viram nos cinemas foram enganadas. Totalmente irrelevante, como é que termina mesmo?

.

E então? Esqueci de esquecer de algum?

O que o stormtrooper negro está fazendo no deserto de Tatooine?

O que o stormtrooper negro está fazendo no deserto de Tatooine?

Sim, nossos repórteres descobriram um dos maiores mistérios do teaser trailer de Star Wars The Force Awakens:

Repercussão do trailer de Star Wars The Force Awakens

Repercussão do trailer de Star Wars The Force Awakens

O teaser trailer de Star Wars The Force Awakens saiu na última sexta-feira revelando os primeiros segundos da fotografia principal do retorno da saga, segundos mais que suficientes para a “internet” se encarregar de produzir milhares de memes, fan arts e novas montagens do vídeo promocional. Separei aqui, algumas das peças produzidas pelos fãs.

Primeiro os vídeos, como essa versão do teaser em Lego:

Ou a versão cheia de flares como o J.J. Abrams desejava que fosse (mas se conteve):

E a melhor, a versão de George Lucas, AHAHAHA.

 

Os memes também surgiram imediatamente após o lançamento do trailer (o que me leva a pensar que a Internet ganhou vida própria e produz os virais automaticamente), sendo que os primeiros, previam a onda hater contra o novo droid fruto de uma relação do R2-D2 com a Jabulani:

Também descobriram a moderna tecnologia por trás:

Mas também houve quem amou o novo droid e já o marcou na própria pele (mesmo que no vídeo ele esteja em movimento e que por isso, não dê pra ter uma noção exata dos detalhes do corpo esférico), só Jesus salva uma criatura dessas:

Falando em Jesus, o primeiro meme que saiu envolvendo o novo sabre que lembra uma cruz invertida foi esse:

E depois surgiram vários outros:


Teve até homenagem ao Chapolim do já saudoso Roberto Gomez Bolaños:

E tem também a versão canivete suíço.

Teve quem viu oportunidade de Merchandising, provando que Lucas vendeu a trilogia, mas seu espírito continua presente:

Outro fã já lançou a ideia de produto, é só licenciar que eu compro:

O susto provocado na primeira aparição do John Boyega lembrou a galera do clássico meme do Sargento Doakes:

Descobriram porque John Boyega está desesperado:

Também tem meme made in Brasilzis:

Já esse gif, resume minha reação ao assistir o teaser:

 .

Os fãs ilustradores também foram rápidos na produção de pôsteres e desenhos homenageando os novos personagens, a espada-de-luz foi destaque:

By Hunworks.

By Phil Noto

By Lazare

By Pierre Loyvet

By Francesco Francavilla.

By Edward Julian

By Kodec Logic

By APlaPi

By Lewis Dowsett

By Mike Stimpson.

By Jake Parker.

Meudelz, já fizeram até action figure?!?!?
(Foto: Halcion/Brandon Flores via A.W. Quinn).
.
.
.
Sim pessoal, o teaser trailer de Star Wars The Force Awakens quebrou a internet!

Trailer de Star Wars The Force Awakens – Primeiras impressões.

Trailer de Star Wars The Force Awakens – Primeiras impressões.

Nada de Comic Con, nada de divulgação da Fase 3 da Marvel nos cinemas, nem mesmo o lançamento de gadgets como o novo Iphone. O acontecimento nerd mas esperado do ano finalmente é realidade, o lançamento do primeiro Teaser Trailer de Star Wars The Force Awakens. Provavelmente você já viu, reviu e viu de novo, mas antes de começarmos a falar sobre, não custa nada ver novamente:

Tendo as gravações terminado há menos de um mês e faltando mais de um ano para o lançamento do filme, todo mundo já esperava que pouca coisa fosse apresentada, mas foi mais que o suficiente para empolgar a maioria dos fãs (um hater ou outro sempre tem, né?). Talvez o que muitos tenham sentido falta foram flashes com o visual dos personagens clássicos, mas J.J. acerta em cheio em não mostrá-los agora, é mesmo mais importante apresentar os novos protagonistas que tocarão a história daqui pra frente, para os nostálgicos, ele fez mais que o suficiente ao trazer de volta a Millennium Falcon dando um rasante de tirar o fôlego. Abaixo, separei alguns momentos que merecem ser dissecados.

Primeiro a apresentação do novo protagonista, o carismático John Boyega (do ótimo “Ataque ao Prédio”) que surge em um susto certeiro que remete ao clima de “acorda!” do novo título. Ele está em um uniforme de Stormtrooper disfarçado como o Han Solo na trilogia clássica? Ou ele é realmente um Stormtrooper a serviço da nova república? Essa segunda opção faz todo sentido dentro do arquétipo clássico do herói de origem comum destinado a salvar o mundo.

Parece que o R2-D2 andou se engraçando com a Jabulani.  Isso vai vender ano que vem mais que água em São Paulo (reparem que ao fundo temos, aparentemente, carcaças de podracers).

Stormtroopers desembarcando para o combate, mais uma vez a pergunta: A serviço da república ou de insurgentes do império? Ou a própria república agora é maligna? O fato dos dois flashes aparentarem ser pela perspectiva dos próprios soldados (regra cinematográfica da empatia), revela que eles pelo menos a principio estarão do lado dos Jedis, aposto que John Boyega está nesse pelotão (e inclusive, deve ser esse mais baixinho no meio).

Apresentando a nova mocinha, Daisy Ridley, meu mais novo amor platônico, sim senhor.

A tecnologia de Tatooine continua maravilhosamente rústica e os efeitos sonoros, pqp, que coisa linda.

Contrariando algumas projeções, o personagem de Oscar Isaac surge no time dos mocinhos. Ou será um traidor?

Um esquadrão de X-Wings dando um rasante para qualquer fã babar e aumentar ainda mais a expectativa pela Millennium.

Tem como deixar o sabre-de-luz ainda mais foda? Tem sim, senhor. É só deixá-lo mais medieval na mão do novo vilão. Aqui os haters começaram a reclamar ainda mais, apenas sugiro a eles que busquem conhecer um pouco mais sobre o universo expandido da Saga. E mesmo que o filme não siga o universo expandido (acho bem provável que não seguirá), a “espada-de-luz” deixa a impressão que o novo vilão busca inspiração na mitologia antiga dos Sith, citada brevemente pelo Senador Palpatine no Episódio III.

Por último, ela, a lata velha mais querida da galáxia, a única nave que concluiu a corrida de Kessel em menos de 12 parsecs, a Millennium Falcon! Que surge em pleno combate contra Tie Fighters ao som da música tema de John Willams. Alguém mais notou que ela tem um radar novíssimo? Sim, porque o antigo quebrou na fuga da Estrela da Morte no final de O Retorno de jedi, até nisso o J.J. pensou. Chorei.

Ah, já ia me esquecendo, um screencap com flares para nos lembrar que estamos vendo um filme de J. J. Abrams.

Mais duas considerações finais, a voz em off que surge no início e fim do trailer é idêntica a de Bennedict Cumberbatch, no início da produção houve rumores de que ele estaria na nova trilogia, mas se ele realmente está, é inacreditável que tenham conseguido manter em segredo. Mas é apenas uma pegadinha do J. J. para deixar o público encafifado. A voz pode ser Adam Driver ou do Max Von Sydow, ou seria, na verdade, de um personagem da série clássica modificada por um capacete no estilo de Darth Vader? O que corroboraria alguns rumores macabros. Aguardemos. O canal norteamericano ABC confirmou que a voz é de Andy Serkis. 0.O

A outra consideração é sobre o título que realmente não inclui o “Episódio VII”, muitos acreditam que é para aproximar o filme da primeira trilogia, antes das modificações de George Lucas que não levavam a numeração. Pode ser, mas eu acredito que seja porque não está nos planos da Disney realizar apenas uma nova trilogia. A Disney quer mais, aliás, terá mais com os spin-offs, ou seja, é mais provável que seja pra não ficar estranho lançar um filme com o número do episódio em um ano e no outro, um spin-off sem numeração.

E então, o que vocês acham? Comente e reveja o teaser até derrubar o youtube. Falta muito para Dezembro de 2015?

Super Flamands ou heróis elisabetanos

Super Flamands ou heróis elisabetanos

Trabalho genial do artista Sacha Goldberger que recria os figurinos de heróis e vilões dos quadrinhos no estilo “flamand” do século XVII, como o apresentado na pintura abaixo de artista desconhecido:

A seguir, algumas das obras da exposição de Sacha:

Você pode ver mais aqui.

Princesas da Disney em cartas de tarô.

Princesas da Disney em cartas de tarô.

O ilustrador Julian Rivera traz mais um trabalho para o inesgotável hall de versões de princesas da Disney, agora como personagens de cartas de tarô.

Não é tão formidável quanto essas cartas de tarô baseadas no universo de O Senhor dos Anéis, mas tá valendo.

Mais ilustrações da série você confere na galeria Deviantart do artista.

Infográfico: 80 Icônicas heroínas da cultura pop

Infográfico: 80 Icônicas heroínas da cultura pop

O ilustrador Scott Park criou essa bela arte com oitenta grandes personagens femininas do Cinema e da Televisão.Você reconhece todas?

A arte está à venda aqui.

60 anos de Godzilla – O Rei do Monstros.

60 anos de Godzilla – O Rei do Monstros.

Há exatos 60 anos estreava Gojira, uma das várias respostas cinematográficas que o Japão produziu enquanto lidava com o trauma das bombas atômicas, apesar dos efeitos daquele primeiro Dai Kaiju emborrachado terem envelhecido mal, não se pode dizer o mesmo como um todo do filme, que continua até hoje sendo o melhor da franquia criada pelo Estúdio Toho. Com uma narrativa fluida, sempre interessante e dramática na medida certa (a tosqueira surgiu nas dezenas de continuações), o filme tem como maior destaque a trilha sonora e, claro, a mixagem de som que de tão bem feita consegue tornar o deus dos monstros crível mesmo que o traje de borracha não convença isoladamente. Em fim, como homenagem ao gigante sexagenário, fiquem com esta galeria com dezenas de “fan arts” do monstrão.

Trailer estendido de Os Vingadores 2 A Era de Ultron e uma possível dica sobre o final.

Trailer estendido de Os Vingadores 2 A Era de Ultron e uma possível dica sobre o final.

Saiu a versão estendida do Trailer de Os Vingadores 2 com a inclusão do Sneak Peek visto pelos sortudos presentes na Comic Con 2014, uma cena bem curiosa porque deixa uma dica monstra sobre o final do filme. Não direi que é spoiler porque é apenas uma dedução minha. Assistam o trailer:

Então, no sneak peek de uma cena que muito provavelmente ocorre no início do filme, vemos o grupo brincando de “Rei Arthur” tentando mover o Mjölnir e quem é o único que consegue dar uma leve sacudida na marreta biônica? Steve Rogers, o Capitão América. Portanto, quem conhece minimamente de estrutura de roteiro, sabe que isso não está ali a toa e que será reutilizado no terceiro ato formando uma rima. Como nós também vemos uma cena com o escudo do Capitão quebrado, minha teoria é de que quando todos os vingadores estiverem já sem esperanças, caídos e com suas armas destruídas (o próprio Thor, talvez morto?). Rogers se mostrará merecedor e conseguirá “improvisar” manobrando o Mjölnir e detonando o Ultrão.

Recorrendo ao material base, de acordo com meu amigo Ítalo Oliveira que manja muito mais de HQs que eu,  Steve Rogers é apto a ser o Thor, mas ele não quer. Ao contrário do que se imagina, o Mjölnir não escolhe uma pessoa para ser o Thor e sim, todo aquele que tiver os “pré-requisitos” para terem o poder do deus do trovão o será. Na HQ, entretanto, a pessoa serve como hospedeiro do Thor, diferente do filme que é a própria entidade.

Atentem-se ao trecho “A very few worthies have been allowed to overcome the spell, in desperate hours”. Muito poucas pessoas ilustres foram autorizados a ultrapassar o feitiço, em horas desesperadas.

E aí, concordam com a teoria?


wedding dresses